Proteção de dados: AMB receberá consultoria para se adequar à LGPD

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) tem se dedicado a seguir as normas da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD). Para tanto, atuará em parceria com o ex-ouvidor e ex-conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Luiz Allemand. O contrato foi assinado em reunião nesta terça-feira (23) na sede da AMB.

O trabalho avaliará as vulnerabilidades do sistema de tecnologia da entidade para garantir a segurança de dados dos filiados. “Renata Gil dá um passo muito à frente de outras instituições quando abraça essa preocupação com o tratamento e a segurança dos dados dos filiados da AMB”, destacou o sócio-fundador da Allemand Consultoria e Advocacia Empresarial. Todos os colaboradores e fornecedores da associação deverão cumprir as diretrizes.

Apurações de megavazamentos tem apoio de outros órgãos, afirma Ortunho

O presidente da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), Waldemar Ortunho, disse que a entidade tem apenas o poder de apuração, e não de polícia, quando o assunto envolve vazamento de dados. Por isso, as investigações sobre os recentes megavazamentos conta com ajuda de outros órgãos. A afirmação foi feita no Seminário de Políticas de (Tele)Comunicações, que aconteceu nesta terça-feira, 23.

“Temos a missão de apurar, mas investigação e o poder de polícia, não temos. Acionamos os órgãos, como Polícia Federal e Ministério Público Federal para ajudar no processo investigativo”, afirmou Ortunho. A entidade está apurando os recentes megavazamentos de dados que aconteceram nas últimas semanas. Um envolveu o vazamento de dados pessoais, como CPF, de mais de 200 milhões de brasileiros. O mais recente teve a divulgação de dados telefônicos de mais de 100 milhões de pessoas.